terça-feira, janeiro 16, 2007

O que é a Aparição?

Primeiro olho a folha em branco, depois sinto o perfume que dela brota, seguindo com a caneta os sinais indiciadores de uma presença que lentamente se assoma para finalmente se anunciar. De onde surgem estas inscrições com que marco as páginas? De onde provém a ideia que me força a exprimi-la? Que força é esta que me impele a borrar esta folha com um texto que há pouco não estava destinado a existir?
Importa perceber os mecanismos que levam este desejo (o qual existe primeiramente enquanto nada, depois sob a forma de ideia para por fim convocar obsessivamente a necessidade de materialização sob a forma de texto escrito) a tornar-se verdadeiramente um desejo. Porque primeiramente o desejo não existe, nem a concepção que o formula. Primeiro existe uma paz, depois um tormento, como se inicialmente fosse um sossego e posteriormente uma necessidade para, por fim, se tornar inteligibilidade. Que reacções se desencadeiam na mente para que sejamos compelidos a exprimir uma concepção, neste caso sob a forma escrita?
É o momento da inscrição, que se segue ao inferno da confrontação do moldar da ideia, que define a aparição. Primeiro o nada, depois a necessidade de confrontação para finalmente se permitir a inscrição. Quietude, pensar, inferno, beatitude. Primeiro a folha em branco, depois a necessidade seguida do confronto para finalmente se concretizar o registo.
O que sente uma pessoa no momento da aparição? Que luz é essa e de onde vem? De onde provirá esse rasgo de anunciação que subitamente nos assola, reclamando uma ordenação?
A aparição é o momento em que a ideia é expressa, em que a mesma se inscreve, ordenada. A aparição é a materialização (sob que forma seja) da ideia barroca, disforme e (ainda) incompreensível. A aparição é este texto que agora existe no papel e que anteriormente existia em bruto na minha cabeça. E que antes ainda, nem sequer existia.

Miguel Godinho

1 comentário:

Tânia Pereira disse...

SE a aparição tem a a força que tem, o escritor não é só o mecanismo que se sente em si mesmo como tal. Há aí a consciência de que há mais qualquer coisa e de que se é mais qualquer coisa do que mero instrumento! Afinal, se no início há o papel em branco, depois há o mecanismo e depois da folha perder a sua mácula, o escritor ainda revê o que vai lançar aos outros e desapegar-se de si...