quinta-feira, agosto 31, 2006


De repente
lembrei-me das cores de ontem
dos cheiros daquele presente
desse passado que é de novo agora
como se nunca tivesse deixado de ser

Como que um presente sempre
presente nesta memória de agora
agora e por agora
porque de repente
a muleta do tempo tropeça
na vontade do teu regresso

de repente

Miguel godinho

2 comentários:

Umbiga disse...

De repente tive saudades

De repente

Ou constantemente

aya disse...

Muito bonito este poema...